Poesia 44

Mãos pedagógicas da norte!

Photo by Asso Myron on Unsplash

Parte um - Primeiro prefácio não é fácil não pega nada!

Praça do correio para o correio elegante
Plateias transitam nos nossos
olhos
Percebe que os corpos se unem
cálidos?
Carrinhos em pinturas de rua
Não entendemos o porquê
Back of the neck... Go back.
É o que queremos ter
Livros e beijos trocados
Beijos e livros envolver
Em nossos braços!

Parte dois - Saudades mil

Velha camarada
Escrevo em caravanas
Chego em romarias
Da Tiradentes para teu caderno vermelho
Teu tesouro és a ti
Matiz melhorado na Matriz
Palavras inafiadas pois abraçam
Acolhem plantam e colhem
Vens vens em trens em três em versos
Acolhem plantam e colhem
Musico os textos na cuca pois sou maluco
Cantas e sonhas e dormes acordada
Tantas tantas vezes deitada
Parecia que escrevia
Tantos textos inesperados
Parecia que já os tinha
Tantos vinhos entornados
Parecia já a próxima vez
A próxima esquina
Arroz japonês
Verso português
alexandrino
Beijo garoado
baiano
Fundamentos para o chão não ir de encontro à cabeça
No sonho no céu permaneça
Meu verso feito norte nas mãos pedagógicas da norte!
Velha camarada
Obrigado pela carta!
Do leite a nata
Rompendo cascas superfícies
Cataratas cascatas de noite sexo e beijo
Que nunca falte, nunca basta!

Parte três - Quero sentir de novo

Inesperado e inspirado
Palavras quando unidas
Me deixam pirado
Esgoelo ao samba
Goles e goles e goles
De baiana
E foles e foles e foles
Tropicana
E Bob’s e Bob’s e Bob’s
Bacana
Gente desconhecida
Outro carnaval não marcado
Nas páginas aleatórias dos
Calendários... Correr à noite
Busões nos fogem como as horas
Corremos e cai coca cola... Caí
Whisky, blue sky, mais e mais
Maias e maias e a volta dos ponteiros
Das bebidas e dos cinzeiros me levaram o corpo inteiro
Ao topo da pirâmide
Má... Mais e mais e mais
Sorrisos ao ouvido e muito mais... Sincera
A poesia me diz:
Aonde você estiver eu tô lá!
Corremos até à Lapa!
Lapa e tapas e tapas e tapas
Uvas cogitadas
Deleites alcançados
Experimentando o novo
De novo e de novo e de novo
Beber da boca alheia um do outro
Rumo ao corpo
Corrida de peles, pêlos, tapas e gozo
E de novo de novo de novo...

Sou um poeta iniciante que não é iniciante…

Se minha prosa poética lhe despertou de alguma forma, chega mais nas minhas redes sociais:

Instagram | Twitter

--

--

--

preto poeta de periferia. poesia e resistência são sinônimos pra mim. Meu Podcast "Quebradas, Emoções": https://anchor.fm/poetadatiradentes

Love podcasts or audiobooks? Learn on the go with our new app.

Get the Medium app

A button that says 'Download on the App Store', and if clicked it will lead you to the iOS App store
A button that says 'Get it on, Google Play', and if clicked it will lead you to the Google Play store
Poeta de Periferia (gui)

Poeta de Periferia (gui)

preto poeta de periferia. poesia e resistência são sinônimos pra mim. Meu Podcast "Quebradas, Emoções": https://anchor.fm/poetadatiradentes

More from Medium

Review of A Chilling Revelation

GOODBYE 2021, Thank you for being Great to me!

Meet the Artist-Makers from Fertile Art Refinery

Comparison Of Elephants and their extinct relatives